quinta-feira, 22 de junho de 2017

GEOGRAFIA DO VERSO ESPANHOL




Resultado de imagem para Turner pintor

William Turner, um dos precursores da modernidade, 

em função dos seus estudos sobre cor e luz




A composição perfeita 

de Gonçalo Garcia

Onofre Ismael (*)   


I


A proteção é feminina



Um homem deve sempre se proteger

O que protege um homem?

Mulher bonita

Mulher bonita protege do azar

Mulher bonita protege da tristeza

(e só traz alegria)

Protege da dor

(ameniza)

Protege de mulher feia,

de bruxas

e até de feiticeiras





I I




Inacabado


Tudo aqui será sempre inacabado

Optei pelo inacabado

Pelo sem fim

Pelo não projetado

(antes, pensado)

Pelo não pronto

Pela obra interminada

Pelo fazer continuado

Pelo convite

Aberto

Aberto ao mundo

Optei pelo romance

Um não romance

Nada com início

Nem meio

No meio

Nem fim

No fim


Optei pelo não ao silêncio

No silêncio


Optei pelo ouvir,

Ouvir

E ouvir



Conhecer mais

Do que revelar

E no conhecer,

O revelar 
........


III


Espero ela ligar

Ela não liga


Ela espere que

Eu ligue

Eu não ligo



Do bloco sem data (como se data fosse importante...)


(*) Onofre Ismael é ensaísta e professor de literatura hispânica







AS MARGENS POSSÍVEIS





Resultado de imagem para praias de Macapá




Até a mulher, o rio e o amor



Ari Constante Soares





-         Senti que minha pele se tornou um musgo 

tenso e nervoso

desses que vivem junto às poças

Eu próprio uma parede sombria




Para se chegar até mim seria preciso 

deixar o sol

penetrar a umidade

Quem me ama faz analogias 

com um vestido de tafetá

Meu presente da natal para ela





- Eu um lugar no mundo

preciso e identificado

habitante de um espaço

e o próprio espaço habitado


Espaço animado e sombrio

triste e vagabundo, alegre e sem brios

vieram me dialogar, numerar

distribuir-me perigosos para todo o país




Quais são as suas propriedades?

Tudo porque sou um dos poucos



- Senti e percebi ao tocar-me: 

o sol saia de mim

Meu corpo perdido, sem espaço, 

era luz-objetivo



Eu iria chegar até aquele milharal,

fazê-lo brotar

Restar-me como energia do milho



-         Percebi muito mais

Por exemplo, vi por trás

de um sorriso

a grande tristeza bronzeada




-         Veio o mar bater na parede da casa

em que durmo. Atreveu-se a aproximar-se

da minha rede, levantei e dei-lhe um

chutão.






O covarde com medo correu

juntou-se aos outros mares.

Com medo do medo do mar,

apanhei minha rede e fui

estender-me mais distante.




Vejamos agora.






-         Deixei a toalha secando na areia,

o mar levou

Deixei a menina queimando na areia

... não, não foi o mar quem levou

(Sem que foi)





Deixei meus sonhos amontoados 

na barraca na areia

 brisa levou, sonho por sonho, 

grão por grão



-         Praia de Macapá

pequenininha

Do tamanho, não maior,

da babaca de Graça



-         No meio do rio

a maresia

joga para o alto

joga para o alto

a canoa/ a gente




de repente a canoa da frente

se alia ao rio, traiçoeira, e

joga para o alto

joga gente para o alto

joga para dentro do rio





Pressa, gritos,

braçadas,

tirem da água

a mulher aflita

e o filho morto

preso no abraço

amoroso e pavoroso



Sobem a mulher e o desespero



Até hoje não sei

se a mulher chorou

se eu chorei

se todos choraram

a mulher olhou infinitamente para o rio

(mergulhou em outras margens)









terça-feira, 20 de junho de 2017

QUEM SOMOS NÓS




Resultado de imagem para homem e filho distantes



Os ausentes

Rivaldáver Peixoto





Correndo atrás de si mesmo

Atropele a ideia de um mundo

sem medo



Esbarrando nas paredes de metal


Não se iluda com espaços

envidraçados

um susto, um pulo,

puta que pariu

Passou da hora.


Perde-se o emprego



Abrir a porta

é a descoberta de um outra hora

Uma hora que nunca viu

Hora em que as crianças jogam bola




Correndo atrás da imagem perfeita

da biografia escolhida

do ideal sugerido nos livros

e gesto imitado





Correndo atrás de nada

O medo de ser

O medo do espelho

E quem vive o pensar obtuso

prisioneiros de fato

(estes sim, presos)




Ausentes do ser e da personalidade

Glug-glug

O mergulhar na garganta

de olhos fechados




Tibum, cair em desertos

em outras vastidões isoladas

cercado de igualdades

em cima de igualdades

debaixo de igualdades




Ridícula ansiedade,


ansiedade de viver



Isto é a vida


Segredo da noite e do dia
                                     



Amigo, por que forçar os dias?


Por que querer apressá-los?


Vamos viver


Mesmo sem bicicleta pra passear

Mesmo sem manteiga no pão




Quando conheci meu filho

dois anos depois

quis abraçá-lo e não pude

duas paredes de grades

nos separavam




Nós dois sorríamos

Queria lhe dizer qualquer coisa

Não soube falar

Não houve espaço para ficar




As mãos guardei-as no espaço

onde poderia abraçá-lo




Ele também me quis falar – sei disso


Riu e passou a mão no rosto da mãe


As pessoas falavam


Eu respondia

sem saber o que dizia



Nunca soube dizer nada






quarta-feira, 31 de maio de 2017

A OBRA PERFEITA






Resultado de imagem para Pedro Nava

 

 

Não terminada  


&  


A idade do escritor







Rufino Fialho Filho



Há escritores que começam a sua produção literária aos 50, outros aos 60. E existem outros aos 70 anos. Pedro Nava é um desses escritores excepcionais, um ser de exceção. Suas produções são, na aparência, inexplicáveis.

Eles são caudalosos.

Causam admiração e os editores têm talento para explorar a imagem literária.

Se bons escritores, elas nadam de braçada, é sopa no mel, é ir para a rua e faturar.

O foco concentrar-se-á naquele velho autor, agora apontado como um fenômeno.

E a primeira abordagem do caso não é sobre seus reais valores estéticos, às vezes, marketeiramente, mantidos em segundo plano.

A primeira abordagem é em cima da idade.

Sempre se produzirá belas fotos e alguns sobreviventes deste percurso poderão ser resgatados em suas tocas, camas, hospitais, asilos e serão memoráveis em suas recordações, outros, mais atilados, já deixaram suas publicações ao longo do longo tempo e poderão ser resgatados, alguns justificando, até mesmo, belas e vantajosas reedições.


Estes fenômenos literários têm claras explicações.

Uma delas é o grande laborar, não são obras tardias ou autores tardios.

São obras que demorariam décadas sendo pensadas, pesquisadas, escritas e reescritas: Pedro Nava.

São autores sem outros interlocutores. Não há, naquele momento, quem os ouça ou que tenham interesse em perder tempo ouvindo um velho cheio de histórias e repetindo, esmerilando, lapidando suas histórias.

Muitos dos seus amigos e contemporâneos já não estão mais presentes, os que restam são limitados em seus espaços e o que lhes restam de tempo ficam presos a grupos vestidos de brancos ou que não podem acompanhá-los numa caminhada maior do que a do quarto ao banheiro, à sala de televisão ou à mesa do almoço e do jantar.

Estes autores, com suas publicações, são capazes de forjar novos interlocutores e reatam, por suas capacidades, a interlocução com a vida, com o presente, mas miraram, com toda certeza, um interlocutor futuro.


Outra explicação é a visão da atividade literária contida nesta atitude.

Eles sabem e sabiam que a relação com a produção literária numa idade muito jovem implica numa transação mais intensa, onde a interatividade implicaria uma hiperatividade, não apenas, na submissão ao tempo e às pessoas, em um julgamento das pessoas e da hora.

Mais grave, implicaria em divórcio com o escritor que se constrói, como um ser inacabado, sempre um ser inconcluso.



Há aquele momento em que tudo o que era possível fazer está feito e não há mais nada a esperar e o mais perfeccionista, quase todos o são, sabe também que o homem não, a obra, sim, esta ainda poderá ser inacabada – agora, outros que a completem.


(Setembro 2003)






terça-feira, 30 de maio de 2017

A GRAVIDEZ DA MENTIRA







Resultado de imagem para amazônia
Toda a Amazônia Legal




Verdade a fórceps (*)



Rufino Fialho Filho





   José Alberto Martelo é mentiroso.

Ouvi algumas vezes esta afirmativa e digo que, naquela noite de 15 de 
maio do ano 2000, 
na sua fazenda, quando começou a gravar a primeira fita, 
eu não acreditava na história de 
que ele escrevera, anos antes, um livro de mais de 1.000 páginas e que 
o queimara lá 
no Xingu, nas margens do caudaloso e piscoso Teles Pires ou de um 
outro grande 
rio amazônico.

Queimara nada!

Mais uma história, mais uma mentira do Zé, José Alberto Martelo. 
Ele realmente era 
um mentiroso. 
Era o que se passava pela minha cabeça. 
Como acreditar numa “estupidez” desta!

Cinco anos depois, não só estou convencido, 
embora não seja uma testemunha, 
de que você queimou mesmo a primeira versão do seu livro, 
que poderá ter 
como título 

A Consistência
de uma Bunda Louca

como, desta vez, já testemunha, de fato, vi você escrever e 
reescrever, 
“queimar”, 
inúmeras versões do seu livro, 
muito mais versões do que teve a sua vida.

Afinal, dizem que escrever é abrir as veias. 

Você queimava palavras, queimava vidas.

Assim, constatei que José Alberto Martelo não era um mentiroso. 

Detentor de uma 
memória prodigiosa, o que confirma a concepção grega da 
palavra verdade – aletheia, 
aquilo que não se esquece

Caminhando, mais na frente, descobri pelos ensinamentos 
de Vargas Llosa 
(ele sabe da coisa) 
que somos todos grandes mentirosos, 
nós, os contadores de história (*).

Mais ainda, Zé sabia que a mentira das histórias contém verdades.

Dias atrás, ele me disse que faria o vestibular para o curso de jornalismo. 

Como aprendiz da escrita, tomado de entusiasmo, 
andei enviando-lhe alguns 
títulos que sei, como você gosta 
de ler e é um devorador da boa literatura, seriam importantes nesta sua 
fase atual de cronista 
comprometido com duas crônicas semanais e com a 
responsabilidade de escrever ao lado 
de um texto com a sabedoria e a experiência do Ronaldo Perim.

Por isso, a indicação do livro de Paulo Markum, 
O sapo e o príncipe, 
uma lição jornalística
como os livros do Noblat, 
A Arte de Fazer um Jornal Diário e 
O que é ser jornalista.

À merda a erudição, mas aqui, por dever de amizade e, 
mais ainda, de 
admiração, serei 
obrigado, diante do seu último artigo sobre índios e eleições, 
a sair um pouco da superfície.

Tudo que está ali é muito sério, trágico, cruel, violento
 – são vidas dizimadas, destruídas – 
mas lá não está a crônica, lá não está um artigo, 
ali você não conseguiu 
fazer uma notícia, nem uma reportagem.

A dimensão da tragédia embolou o meio de campo. 
O relato perdeu profundidade. 
Quem é 
este tal de tenente-coronel Sandro? 
Ele errou, acertou, é um irresponsável, um omisso, um 
criador de problemas? Qual a missão da polícia militar: 
garantir a paz ou registrar 
assassinatos?

A tragédia dos índios, destes homens nossos contemporâneos,
 é uma tragédia nossa.

Está claro no seu texto.

Entendi, então, quando você me falou sobre a pesquisa 
que fará sobre 
As Volantes e 
sobre o coronel (?) Juvenal – um antigo Sandro? 

A história de 150 anos atrás, de 100 anos, 
de 50 anos que continua em nossos dias.

Esta é a realidade, 
não existe Estado, 
não existe lei, 
não existe sociedade.

É muito sério tudo isso e você soube por o dedo, os pés e 
as mãos na ferida – revelou esta 
realidade e ali, nas páginas do seu Diário, está uma baita 
duma bela pauta para um 
senhor repórter.

Agora, a bola é sua para você que sonhou em entrar para 
uma faculdade e 
estudar jornalismo: 

faça a reportagem, vá atrás da matéria.

Marx iniciou sua carreira profissional como repórter da 
Nova Gazeta Renana e, 
depois da cobertura jornalística de furtos de madeira, ele descobriu que 
“aqueles ladrões, 
não era os ladrões, 
mas os donos das florestas que exploravam os trabalhadores”.

A Gazeta foi fechada, Marx viajou pela Europa e aprofundou seus estudos. 
Vale a pena ler O Capital.

Pelo menos, a segunda seção do primeiro volume. 
Lá você ficará sabendo que todo 
capitalista é um ladrão 
e que o capitalismo se baseia na mais pura rapinagem 

(você viveu isto na pele quando enfrentou um maluco que se fantasiou de 
“presidente da República” e que, 
com raiva da sua insubmissão, mandou 
bombardeá-lo horas depois da recusa em se submeter, 
ele, o presidente, em 
Brasília, e você e Antônio, Teco, Beto e Alta, em Boa Vista).

Ali, em cima das cassiteritas, você foi roubado e o ladrão foi o
Estado armado com 
todos os seus instrumentos legais, 
imprensa, justiça, polícia, exército e magnatas.

É este mesmo Estado que assiste ao assassinato dos índios, 
conforme seu relato.

Marx foi o repórter para quem não bastou a reportagem.

Carlos Fuentes, com A Morte de Artêmio Cruz, num dos mais brilhantes 
textos jornalísticos, 
denunciou o assassinato de líderes do interior do México.

O nosso Joel Silveira, com lições permanentes sobre a arte de escrever, 
assim, depois dele, 
Gay Talesse e toda esta corja do novo jornalismo, enfrentaram, 
com coragem, a produção de matérias cuja base é a revelação da 
realidade da nossa sociedade paulista ou dos trabalhadores 
anônimos construtores das grandes obras da engenharia moderna.

São textos que você, agora, um homem de jornal deveria ler, 
mas antes deveria ouvir mais 
o seu irmão, Antôno Alvimar, que o alertou sobre os dois repórteres da 
Veja para os quais 
você abriu a Amazônia da cassiterita e dos ianomâmis, 
certo de que seriam verdadeiros em 
seus relatos.

Não o foram, eles chegaram lá com as pautas prontas – 
e com o texto final engatado.

O jornalismo que chega com a pauta pronta é traiçoeiro 
e eles foram lá para 
massacrá-lo 
numa reportagem de capa, que estava 
na esteira da matéria da National Geografic, que o 
apontava como o maior matador de índios da América.

Você tem a pauta pronta, mas como o novo jornalismo nos ensinou, 
vá lá e confira tudo 
aquilo que você colocou, como palavras suas, nas páginas do seu jornal
 e defina seu texto: 
uma notícia, uma reportagem, uma crônica. 
Misture tudo porque a base é a sua vida vivida.

Depois, Zé, cheque tudo, mande checar, 
se permanecerem dúvidas, 
vá pessoalmente.

Na esteira de jornalistas como Jack London, 
John Reed, 
José Marti, 
o poeta de Nossa América, 
publique e pare de “queimar” suas histórias 
e não mais omita a guerra da Amazônia, muito menos, 
agora, estes assassinatos assistidos.

Agora, já que você tem os primeiros relatos da 
guerra de nossos índios, 
mostre o que acontece hoje, se somos testemunhas de tais fatos 
jamais poderemos ser cúmplices, muito menos do silêncio. 

O silêncio nos humilha e acovarda.

Depois, rasgue a pauta, 

caso ela esteja mal feita 

ou dê à fonte sua verdadeira dimensão.

Importante, é extrair 

a verdade das mentiras.

Depois de ter feito aquela relação de jornalistas, 
grandes escritores e autores também de importantes reportagens, 
termino reportando ao trabalho jornalístico do correspondente 
da Reuters e da British Broadcasting Corporation, a BBC, 
na África, em Biafra.

No final da década de 60, em duas etapas, a primeira como 
correspondente de guerra e a 
segunda como free-lance, 
Frederick Forsyth percebeu que estava diante de uma guerra civil, 
em Biafra, uma “guerra genocida 
e que foi, até então, o maior banho de sangue da história da África”.

Uma guerra que introduzia (invenção inglesa) uma nova e 
poderosa arma de guerra: 

a fome.

Ele voltou para Biafra, não mais como correspondente 
oficial de uma empresa, 
mas como 
homem, 
como cidadão do mundo, 
disposto a não deixar aquela história enterrada e esquecida.

Forsyth escreveu a sua mais brilhante reportagem 
e a mais contundente denúncia contra o Império Britânico 
que contou nesta guerra civil com o apoio dos EUA, da então URSS e da 
maioria dos países africanos, 
todas estas potências e títeres se uniram para esmagar um povo.

A História de Biafra, aqui no Brasil editado pela Record, 
é o relato jornalístico de Forsyth, 
depois autor de O Dia do Chacal, Cães de Guerra e Dossiê Odessa, 
entre outros livros,

Naquela sua guerra, a Guerra da Cassiterita, 
quem derrotou os brasileiros?

Foi o “presidente” ou foi o império britânico? 

É importante que você pare de queimar e 
publique, 
nas edições seguintes, 
revise, acrescente, suprima, mas publique.

Nesta guerra dos Machacalis, 
busque a verdade 
ou conte a sua mentira.


Um abraço fraterno do companheiro e admirador


Rufino Fialho





(*) A verdade das mentiras, Mario Vargas Llosa, ARX, SP, 2004   













(*) Texto extraído da carta de Rufino Fialho para José Alberto Martelo